sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

10 minutos.

Acordei e em 10 minutos já eram seis horas. O sol estava nascendo e o frio já não estava tão frio assim. O tempo que demoro para lavar o rosto parece 10 segundos, mas leva 10 minutos. Mesmo não me importando tanto assim em me botar bonita, percebi que sempre combino meus sapatos com minhas roupas, ás vezes com as bolsas, mesmo que meus sapatos na verdade sejam tênis.
A vida se resume a míseros 10 minutos. 10 intermináveis minutos para que uma aula insuportável chegue ao fim, 10 agradabílissimos minutos de um banho gelado depois de um dia quente de verão, 10 minutos de uma conversa rápida , porém significativa...
Veja só o Carnaval. Me programei durante meses para viver 5 dias que mais pareceram 10 minutos. Tudo foi muito bom, intenso, divertido, novo e aqueles momentos, enquanto eram vividos pareciam não ter fim. Hoje me pego revivendo mentalmente alguns e reparo que tudo o que foi realmente significativo aconteceu em um intervalo de 10 minutos.
Quantos 10 minutos eu ainda desperdiçarei da minha vida? Mais quantos 10 minutos terei que viver esperando o momento certo? E quanto aos milhões de minutos errados, para onde eles vão?
Os meus vários questionamentos da vida (misteriosa) são muito mais vastos que estes, mas tudo bem, não vou desprezá-los, eles também entram na lista. Além do mais, este momento acaba aqui, demorei 10 minutos para escrever este texto (sem contar as interrupções das minhas "flores" da redação), e como nada significativo dura mais do que 10 minutos isso aqui é um ponto final.

2 comentários:

  1. Que não soe pejorativo, mas é exatamente esse o mote do livro 11 Minutos, do Paulo Coelho (sim eu li; não, não aprovo essa obra vulgar).

    No pensamento da protagonista, tudo de significativo, especialmente uma transa, dura mesmo 11 minutos. É o quanto se leva para ter um puta prazer ou fazer um filho. Tenho uma relação de ódio e mais ódio com o tempo. Detesto relógios, detesto saber que horas são. Nunca deveriam ser estipulados números para a entrega das coisas, para metas serem alcançadas.

    A pressa e a pressão fazem esses dez ou onze minutos cada vez mais raros - e aí queremos felicidade, uma eternidade de minutinhos blasterlegais. Time sucks!

    ResponderExcluir
  2. Primeira coisa que eu adorei esse texto e ele me fez pensar em algumas coisas, que realmente duraram poucos minutos. Às vezes segundo, mas que foram tão significativas... ai ai!

    Agora eu pensei que os 10 minutos finais são sempre muito tristes. OU felizes, no caso de uma aula chata, de um longo dia de trabalho.

    EU sou meio escrava do tempo e isso é horrível, mas a vida é assim. Prazos, metas e essas coisas idiotas. 10 minutos fazem toda a diferença!

    Beijos bem!

    ResponderExcluir

Escreve aí o que você achou do que eu escrevi....ou escreve o que você não achou...ou escreve o que você quiser...ahhh...escreve aí!