domingo, 6 de junho de 2010

Razão

E a maioria das pessoas diz (acredita) que não existe razão nas coisas do coração. Eu discordo. No mundo dos sentimentos, pelo menos no meu, algumas coisas são tão claras e completamente explicáveis que é impossível dizer que não sei porquê ou que simplesmente acontece.
Tudo em você me convida. O jeito Napoleônico de contradição ambulante. Aparentemente desencanado de tudo, talvez da maioria, mas extremamente preocupado com tantas outras coisas. A maneira ímpar de prometer mundos e fundos, mesmo sabendo que não tem mundos e fundos para oferecer. Talvez a promessa supra esta carência de si mesmo, esconda esta sua crença de que é tão pouco, tão comum. E aí fica insuportável ter que te convencer de que esses "tãos" na verdade são tão assustadoramente bons que dá até medo, porque você é tão diferente, novo, melhor. Nem parece que cabe tudo numa mesma pessoa.
Amo tudo em você. Como você ri de quase tudo o que eu falo, até mesmo as coisas sérias. Amo quando ri quando estou brava e me faz enxergar como tudo pode ser pequeno e sem importância se visto de outro ângulo. Amo a maneira como faz eu me sentir bonita e confortável sem grandes esforços. Amo sua sinceridade exagerada, o jeito debochado. Amo quando você reclama de tudo e quando tenta me proteger, cuidar de mim. Amo fazer absolutamente nada com você. Amo seu abraço, seu beijo, seu cheiro, seu gosto.
Amo você também pelas milhões de outras razãos inexplicáveis, que ainda não consegui decifrar. Quero passar a vida toda tentando entender cada mínima razão para amar você tanto assim.

Um comentário:

Escreve aí o que você achou do que eu escrevi....ou escreve o que você não achou...ou escreve o que você quiser...ahhh...escreve aí!